quinta-feira, 14 de março de 2019

@vivirsinpermisoserie Falemos do que interessa!!!


Vamos lá falar de coisas interessantes! Série Netflix!
Não das mais conhecidas que isso todos falam mas esta que estou a ver em particular. "Vivir sin permiso"

Gosto de variar e não só ver séries americanas, que há muita coisinha boa nesse mercado fora e depois da Casa de Papel, comecei a ver mais umas séries espanholas. Já vi "Fariña", já fui visitar os locais da série na Galiza (sim somos assim) e agora vejo esta "Vivir sin permiso"
Basicamente Nemo Bandeira, um negociante com fachada de homem de negócios limpo, é diagnosticado com a doença de Alzheimer e tenta escondê-lo da família enquanto começa a pensar em quem pode ser seu sucessor. E a luta por esse poder.
Mas para já, chamo atenção para a qualidade visual do actor Álex González. Se não se interessam pelo negócio da droga, podem ver a série pelo actor que faz de Mario Mendoza. Temos de ir variando pois já estamos fartas dos mesmos sex-symbols americanos e afins! Cá está, um espanholito, aqui no país vizinho e que a SAV aprovou visualmente! Pelo menos a probabilidade de o encontrar neste mundo é bem maior. Vai cá o meu like para o moço!




terça-feira, 12 de março de 2019

Jessica Simpson

Sempre conheci esta moça como actriz, sei que também canta e tal mas nunca a conheci por isso e muito menos por sapatos.  Mas em tempos que eu era fã/compradora do site Heels.com que entretanto foi comprado pela Aldo, lá vendiam a colecção da moça. 
Só mais tarde, associei a quem realmente era a Jessica Simpson, mas gostei logo do estilo da colecção. 
Eu que sou uma esquisitinha no que respeita a tacões, sejam de sandálias ou sejam de botas. Até posso gostar do padrão, do design mas se o tacão não me agradar, não compro! Para mim o tacão faz toda a diferença na elegência do sapato. Quando lançar a minha colecção, eu vou-me focar nos tacões 😆😆
E nesta moça, gosto bastante do conjunto de quase todos os pares, nunca comprei nenhum pois vinham dos States e não valia a pena pagar alfandega. Agora sei que já vendem em mais sítios e os preços não são de todo inacessíveis. 




A quote a day keeps the doctor away #1364


sexta-feira, 8 de março de 2019

Dia da Mulher

Stock Photos /Shutterstock

Já sei que não é consensual este dia para todos, uns exaltam e outros dizem que não devia existir pois é sinal que existem desigualdades. A verdade é que existem MUITAS! 
Não me faz confusão, e olho para ele como olho para outro dia internacional, assinala que houve algo de muito errado no passado no que respeita aos direitos das mulheres. E pior ainda, persistem até aos nossos dias. 
Demasiadas injustiças, violência e discriminação. Basta ver os números de mulheres assassinadas em Portugal desde que começou o ano 2019, são 13 mulheres assassinadas, uma brutalidade! 

Mas que raio, já não estamos em 2019, já não sabemos o correcto e o errado, será que não se aprende nada com o passado? Será que a evolução, as conquistas, a informação não vale de nada? Pelos vistos não! 
É assustador para mim como mulher, e principalmente como mãe, olhar para estes novos tempos com um olhar de incredulidade com o que assistimos na sociedade. Ler estudos que revelam que "67% do total dos jovens legitimam pelo menos um comportamento de violência" no namoro, para mim é arrepiante. "27% dos jovens inquiridos não reconhecem este comportamento como violência, sendo a violência física o tipo de comportamento menos legitimado (9% dos jovens legitimam este tipo de violência). Para a investigadora, “é a menos legitimada, mas também preocupante, porque é a violência mais falada, é a violência mais visível e mesmo assim 9% dos e das jovens ainda acham normal este tipo de comportamento”."
Como é possível acharem normal? 

E aqui eu digo que ainda há um caminho muito longo a percorrer por todos, pelas próprias mulheres, inclusive. Por elas a si mesmo, através da auto-estima, saberem o valor que têm e gostarem delas próprias. Isto só por si, faz uma grande parte do trabalho pois dá-nos armas para dizer que NÃO, para não aceitar o medíocre para a nossa vida, para denunciar e acima de tudo dar armas para combater o medo. 
Um caminho a percorrer, por todas as mães que educam os nossos adultos do futuro, educar para a igualdade, não fomentar comportamentos enraizados como normais na sociedade. Há pequenos passos que somos nós que podemos dar para um futuro melhor. 
Arrepio-me quando leio artigos de opinião de mulheres que falam como se estivessem nos anos 50, que falam em nome das mulheres, como se o papel da mulher seja uma cena tão redutora como meia dúzia de palavras conservadoras, regurgitadas por uma mulher e aplaudida por outras. E penso, que algo não vai bem neste mundo. Isto só pode ser educacional. 

Há dias eu escrevi: "Gostava de saber como é que vou explicar à minha filha, que afinal a justiça nem sempre nos protege dos agressores, que juízes como este ainda está lá, a decidir a vida de quem lhe passa pelas mãos... 
E quando me perguntar, afinal em quem confiar, a esta altura já não sei o que lhe responder 😔😞 se calhar na sorte..."
E hoje o Dia da Mulher, tenho de explicar-lhe para que serve este dia, porquê é que ainda temos tanto caminho para andar e acima de tudo, tudo aquilo que ela não pode aceitar quanto Mulher e cidadã deste mundo. 

A quote a day keeps the doctor away #1363

A Vida em Azul Cueca